BirdWatching

BirdWatching

Visitar qualquer área com habitats naturais ou seminaturais entre os idos de março e os idos de julho é deixarmo-nos maravilhar pelos sons e melodias que as mesmas reproduzem.

Fazer uma visita à Lagoa de Paramos é ouvir o canto exuberante do Rouxinol pequeno-dos-caniços e do seu parente maior, o Rouxionol-grande-dos-caniços.
É sermos enganados pela Cigarrinha-ruiva, que com o seu canto parece ser um inseto.

No caniçal desta lagoa podem também nidificar aves de porte médio/grande como o discretíssimo Garçote, ou o Tartaranhão-ruivo-dos-pauis/Águia sapateira.

Mas o habitat lagunar e as suas margens são locais onde o Pato-real pode nidificar, ou o Mergulhão-pequeno, em pequenas jangadas de vegetação, a Galinha-d’água, o Galeirão e os outros. Ver a dedicação que os progenitores destas últimas três espécies têm para com a sua prole, alimentando-a enquanto nadam, é surpreendente.

 E quem sabe se não se depara com a nidificação pouco comum de uma das várias espécies de patos que nidificam no nosso território, como o Pato-colhereiro, ou a Frisada.

Nos salgueiros ou nos amieiros podemos observar as aves mais florestais, como três das espécies de chapim – Chapim-real (Parus Major), Chapim-azul e Chapim-carvoeiro, o Pisco-de-peito-ruivo, ou o Tordo.
E nos silvados ou zonas de vegetação mais densa é provável encontrar a Carriça, com a sua melodia forte ; a Toutinegra-de-barrete, bela cantora, e a sua parente mais discreta, a Toutinegra-de-cabeça-preta/Toutinegra-dos-valados, ou o proverbial Melro.

Nas dunas podemos encontrar um "ator”, conhecido como Borrelho-de-coleira-interrompida, que, se nos aproximarmos do seu ninho, feito numa pequena depressão da areia, simula estar feridos para nos afastar do ninho.  E na zona da rebentação das ondas, podemos ver os Pilritos-das-praias.

Só a monitorização, mais técnica, e a consciência dos cidadãos — sermos conhecedores destas áreas mais nativas — permite respeitá-las e protegê-las e pode garantir que esta Área Protegida possa ter um futuro, como teve um passado, rico na memória das populações, e, por fim, contribuir para um bom equilíbrio e harmonia do Homem com a Natureza.
David Santos, Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves.