Arte Xávega

Arte Xávega

Arte Xávega, a nossa pesca tradicional

A Arte Xávega é um sistema de pesca artesanal, caracterizado por possuir um aparelho de arrasto que, na nossa costa, é lançado pelo barco de mar. A partir da praia desloca-se, até distâncias consentidas pelo aparelho e à praia regressa, iniciando-se a designada pesca de arrasto ou xávega.

Foi este tipo de pesca, que esteve na origem do aparecimento do núcleo primitivo da população espinhense. Com um mar muito rico em sardinha, os pescadores ou "vareiros", termo como são designados, construíram grandes barcos em madeira e organizaram-se socialmente em companhas de pesca, pequenas empresas constituídas por perto de sessenta pescadores. O pescado era vendido nas populações vizinhas pelas "vareiras" ou "varinas" que de canastra à cabeça lá iam a apregoar a boa sardinha de Espinho: "Espinho Viva!"

A autarquia de Espinho defende a manutenção da arte Xávega, dada a importância económica e social desta atividade para uma significativa comunidade piscatória do Concelho que desde sempre se dedica à pesca de arrasto. Em Espinho há atualmente três "companhas". Esta faina piscatória faz parte da identidade cultural da cidade e dela depende o sustento de dezenas de famílias. 

A importância que a Câmara Municipal de Espinho atribui a esta comunidade piscatória traduz-se na prioridade dada à construção dos apoios de pesca no âmbito das obras de valorização do litoral sul. 

Na "Praia dos Pescadores" pode assistir, ainda hoje, a esta arte de pesca costeira artesanal, que remonta ao século XVIII. Praticada normalmente, entre os meses de março a outubro, esta arte é especialmente dirigida para a captura da sardinha, carapau e outras espécies costeiras.

Venha assistir e participar nesta recriação da nossa história. Pode ainda visitar a exposição permanente que contempla a coleção da Arte Xávega, patente no Museu Municipal de Espinho.